Notícias

Última atualização 23/04/2018 14:04 PM


Dedo de Prosa 17/04/2018

AVICULTURA Já estão abertas as inscrições para o 9º Encontro Técnico Avícola, um dos mais importantes eventos do calendário industrial avícola no país, de 24 a 26 de julho em Maringá.


229,5 milhões de toneladas é a projeção da Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) para a safra de grãos 2017/18 no Brasil. Se confirmado, será o segundo maior volume da história, de acordo com dados do 7º levantamento realizado por aquela autarquia, divulgado semana passada. Um recuo de 3,4% em relação a colheita da safra 2016/17, de 237,7 milhões de toneladas

CADÊ? "Por que os jovens não se entusiasmam pelo campo?". A indagação feita por Luiz Gustavo Nussi, diretor de uma das instituições de ensino rural mais respeitadas do país, a Escola Superior de Agricultura Luiz de Queiróz, de Piracicaba (SP), durante o Fórum de Agronegócios promovido semana passada na ExpoLondrina, pegou o público de surpresa.

EM BAIXA De acordo com Nussi, apesar de o agronegócio ser o carro-chefe da economia e também um campo dos mais promissores em matéria de oportunidades profissionais, os cursos de ciências agrárias são, em geral, menos procurados, nas universidades, do que os de outras áreas.

LONGE Nussi afirmou que a formação de profissionais especializados para dar suporte ao pujante crescimento do setor, está longe de suprir a demanda. Segundo ele, o Brasil investe pouco em pesquisas, apenas 1,2% do Produto Interno Bruto (PIB), enquanto o percentual nos Estados Unidos é de 5%. "Não existe fórmula mágica, pesquisa se faz com investimento", disparou.

LÍDER No mesmo evento, o presidente da John Deere Brasil, Paulo Herrmann, lembrou que se de um lado são nulas as chances do Brasil ser reconhecido no mercado internacional como referência industrial ou de serviços, de outro há uma grande possibilidade de o país se tornar, em poucos anos, líder do agronegócio mundial.

NA COLA Herrmann relatou que o Brasil já abocanhou metade do mercado internacional de milho dos Estados Unidos e está fazendo a mesma coisa, agora, com a soja.

À FRENTE Ainda no Fórum em Londrina, o representante da FAO (Organização das Nações Unidas para Alimentação e Agricultura), Alan Bojanic, apresentou a perspectiva de que o Brasil se tornará, em 2025, líder mundial em produção de grãos, ultrapassando os Estados Unidos. "É quando chegaremos a uma safra de 300 milhões de toneladas."

PATINANDO As grandes safras colhidas nos últimos anos dão a impressão de que os produtores em geral estão ganhando muito dinheiro, mas o presidente da Aprosoja Brasil, o mato-grossense Marcos da Rosa, garantiu em Londrina que ao menos 55% dos agricultores brasileiros estão patinando, com pouca ou nenhuma rentabilidade. Isto se deve, segundo ele, à tributação excessiva e aos altos custos de produção.

SUBIRAM Os preços dos grãos têm empolgado os produtores nas últimas semanas, atingindo patamares surpreendentes para a época, tendo como causas a forte quebra da safra argentina, as divergências comerciais entre Estados Unidos e China e, ainda, a variação positiva do dólar frente o real.

SOJA De acordo com o vice-presidente de Negócios da Cocamar, José Cícero Aderaldo, a saca de soja está cotada atualmente em Chicago a 10,50 dólares o bushel (medida adotada em países anglo-saxônicos, que equivale a 27,2 quilos), mas para o mês de novembro deste ano o preço pré-fixado é menor: 10,30 dólares.

MÉDIA "Não dá para arriscar nenhuma estimativa futura", comentou Aderaldo, explicando que as circunstâncias atuais do mercado estão impactando as cotações. Para garantir-se, o produtor deve parcelar suas vendas e, dessa forma, alcançar um preço médio remunerador, orientou o dirigente da cooperativa.

RENOVABIO "Estamos avançando para ter uma referência futura de mercado", afirma o presidente da Associação de Produtores de Bioenergia do Estado do Paraná (Alcopar), Miguel Rubens Tranin. Ele se refere ao cenário de otimismo que tomou conta no setor de bioenergia brasileiro com a recente aprovação do Plano Nacional de Biocombustíveis, o RenovaBio, sancionado pelo governo.

NOVO CENÁRIO Tranin explica que, com o RenovaBio, o país tem, enfim, a oportunidade de oferecer condições para incentivar o investimento privado, valorizar a eficiência energética ambiental e premiar a adoção de inovações voltadas à sustentabilidade.

MARCO De acordo com Tranin, o RenovaBio deve deixar para trás um longo período de incertezas e desestímulos enfrentado pela atividade, originado, justamente, pela falta de um marco regulatório.

CANA Encerrada no final de março, a safra de cana-de-açúcar do ciclo 2017/18, no Paraná, totalizou 37 milhões de toneladas, quantidade 8,3% abaixo da registrada no ano anterior (2016/17), de 40 milhões.

CLIMA ATRAPALHOU De acordo com Alcopar, a redução se deve, principalmente, a problemas climáticos que afetaram a cultura ao longo do seu desenvolvimento.

PROJEÇÃO Para o período 2018/19 que começa neste mês de abril e vai até março do próximo ano, a previsão da entidade é de uma safra ao redor de 36 milhões de toneladas, por conta da queda de produtividade das lavouras.

VOLTANDO Por enquanto, apenas quatro das 25 unidades produtoras retomaram a operação e a estimativa é que até o final do mês todas estejam à plena carga.

DERIVADOS Diante da menor oferta de matéria-prima, caiu também a produção de derivados. A quantidade de açúcar fechou o ciclo em 2,920 milhões de toneladas, 4,5% a menos em comparação as 3,059 milhões da temporada anterior, enquanto o volume de etanol foi de 1,263 bilhão de litros, 6,7% abaixo dos 1,353 bilhão da safra 2016/17.

AVICULTURA Já estão abertas as inscrições para o 9º Encontro Técnico Avícola, um dos mais importantes eventos do calendário industrial avícola no país, de 24 a 26 de julho em Maringá.

BIENAL Promovido de dois em dois anos, o Encontro é realizado pelo Sindicato das Indústrias de Produtos Avícolas do Estado do Paraná (Sindiavipar) e Integra. A previsão dos organizadores é reunir 800 participantes no Centro de Eventos Vivaro e as inscrições podem ser feitas pela internet até o dia 17 de julho.

Referência: http://maringa.odiario.com/agribusiness/2018/04/dedo-de-prosa-17042018/2484504/